/, Bigode, Lifestyle/Dream Team de Barbudos Históricos

Dream Team de Barbudos Históricos

Se és barbudo, sabes que a barba tem uma personalidade própria, um caráter, um passado. Está sempre ligada à história e hoje vamos mostrar-te nossos escolhidos para a Dream Team de Barbudos Históricos, estilo “caderneta de cromos do mundial”.

A nossa tática? 3-5-2. Agressivo.

  • Como qualquer equipa, a nossa Dream Team precisa de um guarda-redes: “Nº1” desta altura do ano, provando que até as crianças admiram um homem com barba – O PAI NATAL.

Cromo Pai Natal

Consoante o país onde estamos, ele tem nomes diferentes: São Nicolau, Santa Claus, Papai Noel, Pai Natal). Já mudou as cores da fatiota: usava verde até uma conhecida marca de bebidas lhe dar o fato vermelho a condizer… Mas apesar de ser uma figura imaginária (será?), o Pai Natal nunca aparece sem barba.
Portanto, é o primeiro escolhido da nossa equipa. E porque precisávamos de um gordo para ir à baliza.

  • O passo seguinte é a defesa. Para isso, escolhemos 3 dos maiores escritores portugueses de todos os tempos: Luís de Camões, Eça de Queirós e Fernando Pessoa.

 Cromo CamõesCromo EçaCromo Pessoa

Considerado por muitos o maior poeta português, Luís Vaz de Camões foi soldado, viajou nas expedições marítimas para a Índia, escreveu “Os Lusíadas” e ainda teve tempo para ficar conhecido pelo seu carisma com as mulheres. Graças a isto, mesmo só com um olho, é o “Patrão da defesa”. Não passa ninguém.

José Maria de Eça de Queirós, escritor e diplomata, foi autor de alguns dos maiores romances realistas portugueses, como “O Crime do Padre Amaro”, “A Relíquia” e “Os Maias”.
Dono de um belo bigode, conseguimos imaginá-lo como lateral direito a parar ataques com longas e detalhadas descrições do “Ramalhete”. Se não perceberam, vão ler “Os Maias” outra vez.

Para completar a defesa, Fernando Pessoa. Ou Ricardo Reis, ou Alberto Caeiro, ou Álvaro de Campos, ou Bernardo Soares… Podíamos ficar a enumerar heterónimos o dia todo, iamos sempre dar ao mesmo bigode.
Pessoa foi poeta, filósofo, dramaturgo, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, entre outros – O verdadeiro homem dos sete ofícios, fazendo dele o lateral esquerdo de sonho para qualquer treinador.

  • No “miolo” do meio campo, aparecem os internacionais: Che Guevara, Albert Einstein e Leonardo Da Vinci.

 Cromo Che Cromo Einstein Cromo DaVinci

Vista hoje em dia em t-shirts, bandeiras, bonés, etc., não podemos dizer que a barba de Ernesto “Che” Guevara é das mais compostas da equipa, no entanto, ninguém pode negar que é das que tem mais carisma.
Nascido na Argentina, estudou medicina e tornou-se conhecido líder da guerrilha durante a Revolução Cubana. É ainda hoje considerado por muitos como herói e símbolo da resistência. Médio defensivo (“trinco”) pareceu-nos a posição ideal – Camisola 5.

Albert Einstein, cientista mais célebre do séc.XX, foi dono dum sólido bigode mas dum penteado menos conseguido. Não o podemos culpar, criar um dos pilares da física moderna com uma só equação (E=mc², claro) deixa pouco tempo para ir ao barbeiro. Mas se ainda fosse vivo, a malta aqui tratava-lhe disso. O cérebro da equipa, camisola 8, dono de passes milimétrica e cineticamente perfeitos. Ciência.

Leonardo Da Vinci, génio criativo do Renascimento italiano, foi pintor, matemático, engenheiro, inventor, e outros. Talvez tenha sido até jogador de futebol e de certeza que tinha uns pezinhos de sonho. Número 10 parece-nos indicado.

  • Como a nossa tática precisava de profundidade nas alas, fomos buscar duas barbas da nossa história habituadas a percorrer enormes distâncias: Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral.

 Cromo V da G Cromo Pedro álvares cabral

Navegadores maiores da era dos Descobrimentos, Vasco Da Gama completou o caminho marítimo para a Índia em 1498, na maior viagem oceânica realizada até então. Dois anos depois, em 1500, Pedro Álvares Cabral zarpou para fazer o mesmo mas decidiu fazer um pequeno desvio e acabou na costa brasileira.
Duas armadas, dois comandantes, meio mundo percorrido. Isto sim, são extremos de qualidade. – Camisolas 6 e 7.

  • Finalmente, o melhor para o fim. O único cromo dourado da coleção, o nosso ponta-de-lança – D.Afonso Henriques, “O Conquistador”.

Cromo D.A.H

Primeiro rei de Portugal, D. Afonso I de Portugal dispensa apresentações. Foi efetivamente o primeiro “badass” da história do nosso país, e, com é lógico, era dono de uma bela e orgulhosa barba lusitana.
Armou-se cavaleiro, assumiu o governo do condado e mais que duplicou o seu tamanho, conquistando territórios aos mouros. É o ponta-de-lança matador que faltava (literalmente). Como Portugal foi reconhecido como reino independente em 1143 e 1+1+4+3=9, escolhemos a camisola 9. Coincidência? Não nos parece.

Aqui fica a equipa com os nossos nomeados:

3-5-2 agressivo

No entanto, a nossa Dream Team tem ainda o lugar do número 11 em aberto. Deixamos esse lugar à vossa disposição. Quem acham que deveria ser o último dos Barbudos Históricos a entrar na equipa?

E tu? Achas que tens uma barba digna de ser convocada?

By |2018-12-19T02:08:12+00:00Dezembro 12th, 2018|Barba, Bigode, Lifestyle|2 Comments

2 Comments

  1. Afonso Leal 27 Dezembro, 2018 at 22:37 - Reply

    11º jogador – Aquaman!!

    • Luís Cruz 27 Dezembro, 2018 at 23:00 - Reply

      Os adeptos iam estar sempre a fazer a onda.

Leave A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.